2 dicas para não errar no processo decisório

Você ocupa um dos cargos gerenciais da sua empresa? Então você participa ativamente do processo decisório e precisa ter muito cuidado para não errar na sua tomada de decisão.

As mudanças no cenário econômico, principalmente, envolvem um processo decisório minucioso a fim de isentar ou minimizar os impactos negativos da tomada de decisão.

Para isso, você precisa saber e entender os tipos de decisão e como essas técnicas te ajudam a não errar no processo decisório.

É importante dizer aqui que esses processos não resolvem os problemas da sua organização. São técnicas para você, enquanto gestor, lidar com esses problemas.

A função principal dos tipos de tomada de decisão é estruturar o processo decisório, aumentando sua certeza na hora de tomar a decisão correta.

Vamos te dar três dicas para não errar no processo decisório. Elas envolvem conhecer e identificar os tipos de decisão, saber como estruturar o processo decisório e a importância do planejamento estratégico para o processo decisório

Através dos tipos de decisão você estará pronto para aplicar umas das técnicas, conceitos e habilidades no seu processo decisório. Além disso, você conseguirá analisar as dificuldades enfrentadas pela organização e como elas devem ser tratadas ao longo do processo decisório.

1. Escolha o tipo de decisão adequado para o processo decisório

descisoes-adequadas

Para começar, vamos te mostrar as duas classificações mais importantes refentes as tomadas de decisão nas empresas. São elas as decisões programadas e não programadas.

Decisões programadas

Esse tipo de decisão é conhecida pelos gestores da empresa. São aquelas decisões que solucionaram problemas já enfrentados pela empresa e sempre se levantam contra a organização da mesma forma.

Nessas situações você não precisa fazer uma análise de cenário, recolher dados para desenvolver o processo decisório. Basta você aplicar os métodos já estabelecidos para reverter ou corrigir a situação.

Em linhas gerais, são soluções padronizadas para a tomada de decisão, tornando o processo decisório mais ágil.

Decisões não programadas

A decisão não programada é o problema não esperado pela empresa. Para tomar essas decisões você precisa tratar cada uma delas individualmente.

Essas situações novas precisam passar por um processo de análise partindo do entendimento do problema até a tomada de decisão. Veja algumas dicas sobre como tomar decisões empresariais.

Um dos principais objetivos do processo decisório deve ser de procurar soluções para as decisões não programadas com o intuito de criar decisões programadas, pois as decisões programadas economizam gastos de tempo e intelectual.

Assim os tomadores de decisão não se desgastam resolvendo os problemas que já apresentam solução padronizada.

2. Desenvolva um processo de resolução de problemas para a tomada de decisão

processo-de-resolucao-de-problema

O processo para resolver os problemas e tomar decisões é, basicamente, aproveitar as oportunidades e avaliar as possibilidades de tomada de decisão.

Para você entender melhor, vamos pensar esse processo de resolução de problemas como um ciclo de cinco fases: identificação do problema, diagnóstico, geração de alternativas, escolha de uma alternativa para tomada de decisão e avaliação da decisão.

Abaixamos separamos as cinco fases do ciclo de tomada de decisão para você aplicar no seu processo decisório:

Identificação do problema

A resolução do problema começa com a identificação de uma situação de frustração, ansiedade, dúvida, oportunidade, desafio ou interesse.

O gestor deve investigar a causa da situação a ser enfrentada. É a fase onde será descoberto o problema e se inicia o processo decisório.

Considerando que a situação seja de oportunidade e não um problema, você deve analisar como um processo da mesma forma e saber aproveitar essa condição.

Diagnóstico

Após identificar o problema você vai precisar entender esse problema (ou oportunidade), identificando as causas e possíveis consequências de cada uma das possibilidades de tomada de decisão.

Analise e estude a fundo esses problemas para evitar erros nas etapas a diante. E para aumentar sua confiança em relação a sua decisão, existem duas técnicas para te ajudarem quando os problemas demandarem um estudo aprofundado: o diagrama de Ishikawa e o princípio de Pareto.

Geração de alternativas

Nessa fase você começa os primeiros passos para resolver o problema. É a partir daqui que você pensa nas soluções.

Para as decisões não programadas não há alternativas prontas. Você vai precisar criar essas alternativas. Nessa etapa você pode usar dois processos para estimularem sua criatividade: brainstormig e brainwriting.

Escolha de uma alternativa

Levante todas as alternativas e as julgue levando em consideração as consequências para o processo decisório, e os fatores externos que podem afetar sua escolha.

Pensar estrategicamente é fundamental para a tomada de decisão. É preciso avaliar as vantagens e desvantagens através dos dados obtidos na fase inicial do processo.

Observe as alternativas e estabeleça uma ordem para elas como, por exemplo, prioridade, qualidade ou utilidade.

Outra forma de analisar as alternativas é estabelecer um ponto de equilíbrio, no qual os tomadores de decisões estudam os problemas e analisam os dados operacionalizados para a empresa continuar a ter lucros.

Avaliação da decisão

O processo decisório termina quando é coloca em prática a decisão escolhida e analisados seus efeitos.

Essa avaliação de decisão pode ser racional ou intuitiva de acordo com as informações de um lado e de outro as opiniões e sentimentos. A racionalidade e a intuição são dois atributos completamente diferentes.

Sendo assim, quanto maior a quantidade de dados convertidos em informação, mais racional será o processo. Mas se os sentimentos e as opiniões se sobressaírem o processo será intuitivo.

A avaliação da decisão reinicia o processo de resolução de problemas, podendo ser tomando como padrão para as decisões programadas.

Sabemos que a autoridade é necessária e suficiente em tempos de estabilidade, no entanto, num ambiente de constantes mudanças é preciso haver liderança para tornar o processo decisório bem estruturado. Assim, a empresa se mantém de pé em meio aos fatores externos que a atingem.

As suas decisões devem estar de acordo com o planejamento estratégico organizacional. Assim, seu processo decisório será coerente com os valores da sua empresa.

Ainda tem dúvidas se a sua decisão é a mais assertiva para a sua empresa? Podemos te ajudar no processo decisório. E o melhor: a um baixo custo.

Consulte com nosso time de especialistas! Eles irão te orientar no processo decisório escolhendo a melhor técnica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *