Participações societárias: porque é importante analisar?

Começo a abordagem do artigo de hoje com uma frase um tanto reflexiva, que nos fará compreender melhor a importância de analisar as participações societárias de clientes e parceiros de negócios.

A frase é a seguinte:

Não há nada oculto que não venha a ser revelado.

Bom, esta é uma frase retirada da bíblia. E porque estou utilizando ela para contextualizar sobre participação societária?

A resposta é simples. O motivo de eu estar utilizando essa frase é que quanto mais a fundo vamos sobre determinados assuntos, mais descobrimos sobre coisas que não imaginávamos.


Recomendamos para você: Risco de imagem, como evitar?


Por não analisar as participações societárias de clientes e parceiros de negócios, muitos gestores acabam trazendo consequências de impacto para as empresas que trabalham.

Atualmente, recursos é o que não faltam para a realização de um bom levantamento de dados. A tecnologia evoluiu disruptivamente, colocando nas mãos das empresas uma quantidade de dados imensuráveis para serem analisados.

Mas, até que ponto esse grande volume de dados chega a ser solução para as empresas que precisam tomar decisões baseadas nos mesmos?

No meu ponto de vista, como um profissional que atua com tecnologia, grandes volumes de dados podem nos tirar o foco do problema real. De fato, é o que acontece na hora de se analisar clientes e fornecedores. Temos grandes dados sobre eles, mas esquecemos de olhar o mundo que os cercam.

É por esse motivo, que esse artigo irá despertar em você a importância de olhar para as participações societárias de seus clientes e parceiros, e dessa forma, analisar todas as pessoas e empresas envolvidas com os mesmos. Continue lendo esse artigo J

Cadeia de envolvimento: o risco de não analisar os dados

cadeia-de-envolvimento-o-risco-de-naos-analisar-dados

Nessa cadeia de envolvimento, quero abordar como a upLexis oferta aos seus clientes, através da plataforma upMiner, a análise de participações societárias e como essa análise impacta diretamente na tomada de decisão dos gestores.

Vamos imaginar um case …

Eu sou um gestor de uma empresa e estou envolvido em uma negociação com um potencial investidor, onde o mesmo possui o interesse de investir uma quantia considerável de dinheiro em um produto da minha empresa.

Nesse caso, como tomador de decisão, eu preciso analisar quem é esse investidor. Por isso, levanto algumas informações, nas quais considero importante para pode realizar o negócio.

As informações que quero analisar são:

  • Participações desse investidor em outras empresas.
  • Renda presumida desse investidor.
  • Envolvimento em processos judiciais.
  • Os sócios desse investidor.

Por que essas informações são importantes para mim? Vou explicar ponto por ponto.

1. Participações desse investidor em outras empresas:

Essa informação me auxiliaria a entender como o envolvimento desse investidor afetou a performance dos negócios que ele investiu.
Como assim?

O que quero saber é se as consequências de fechar uma parceria com esse investidor, trará benefícios ou malefícios para o produto da minha empresa e para a minha empresa.


Você irá gostar de ler: Ficha limpa, o que você precisa saber?


Sem mencionar, a reputação das empresas que ele é envolvido. Alguma dessas empresas está sob algum julgamento? Tais como, lei anticorrupção, envolvimento em fraudes e propinas, trabalho escravo.

Esses dados já impactariam na minha tomada de decisão.

2. Renda presumida do investidor

Porque a renda presumida do investidor é importante para mim?

Vou citar um exemplo, o mesmo ocorreu com um potencial cliente que precisa tomar uma decisão a respeito de um investidor.

O investidor tinha dito ao cliente que faturava X valor anualmente, mas ao analisarmos os dados de um dossiê levantado junto a plataforma upMiner, percebemos que a renda presumida do investidor era muito inferior ao faturamento que ele alegava ter.

Esse faturamento era baseado em sua fortuna para investimentos. Então, analisando tal informação, chegaríamos a conclusão de que haveria a necessidade de uma análise mais aprofundada.

Dessa forma, chegamos ao próximo ponto.

3. Envolvimento em processos judiciais

Ao realizarmos uma consulta nos diários oficiais e nos principais TRF’s, identificamos o envolvimento desse investidor em diversos processo, das quais não posso comentar as causas.

Essa informação nos levou a decidir que fazer negócios com esse investidor, poderia ser uma furada, um risco totalmente desnecessário de correr.

Pois não só o investidor estava envolvido em processos judiciais, como todos os seus sócios estavam.

4. Os sócios do sócio

Chegamos ao ponto principal do nosso artigo, a análise de participações societárias, que na verdade se torna a análise dos sócios e é onde podemos identificar o grau de risco que a minha empresa possa correr e administrar.


Recomendamos a leitora: Gerenciamento de riscos: aprenda a fazer uma gestão efetiva.


Voltando a análise, o que já descobri sobre meu investidor?

  • Sua renda presumida não bate com seu faturamento anual.
  • Está envolvido em alguns processos judiciais (Junto com os sócios).

O último ponto da minha análise, será o levantamento de informações sobre os sócios.

Quais são as empresas que eles têm participação? Qual a reputação dessas empresas? Quem são os sócios dessas empresas? Qual a reputação desses sócios?

Esses são alguns questionamentos que devemos fazer para avaliar se vale a pena fechar negócio ou pular fora.

Como a ação de terceiros impacta diretamente em seu negócio?

acao-de-terceiros-em-seu-negocio

Novamente, vamos imaginar mais um case. No qual, pode ser real e acontecer com qualquer empresa.

No último artigo que publicamos no blog, falamos sobre trabalho escravo e o envolvimento de empresas de renome envolvidas indiretamente.


Você pode ler o artigo aqui: Panorama do trabalho escravo na atualidade.


O exemplo do trabalho escravo, retrata como uma empresa pode sofrer penalizações por causa de terceiros.

Uma marca que terceirizava um serviço de produção do seu produto, onde essa empresa terceira também terceirizava a produção de matéria-prima para atender a grande marca.

Por não analisar os parceiros e sócios de seu fornecedor, essa marca teve que lidar com a consequência de punição, onde a empresa que produzia a matéria-prima do produto, tinha seus funcionários trabalhando em condições de trabalho escravo.

Dessa forma, vemos como a ação de terceiros impacta diretamente em um negócio.

Conclusão

Com a maioria das empresas operando processos com ferramentas tecnológicas, sabemos qual importante os dados e informações são para a tomada de decisão.

Analisar participações societárias de parceiros e clientes é um método de gerenciamento de riscos, onde qualquer empresa pode adotar tal prática.

Como você faz para analisar dados e informações de seus clientes e fornecedores? Qual o tipo de informação desempenha papel fundamental para a sua tomada de decisão quando precisa realizar um negócio?

Deixe um comentário abaixo e compartilhe conosco suas experiências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *