Gestão de riscos corporativos: aprenda como colocar em prática

A gestão de riscos corporativos se trata das oportunidades que regem uma empresa. O gerenciamento estabelece seu potencial, os eventos capazes de afetá-la e as formas de mantê-la.

O que não é medido, não é controlado. Assumir os riscos diferencia sua empresa. O  processo  de  gerenciamento  se  refere  ao  planejamento, monitoramento  e controle, baseado nas ações produzidas pelas atividades de análise de risco. 

Os acontecimentos podem ser negativos ou positivos. Se tenderem para o fiasco, impedem a criação do valor, ou destroem o que já existia. Mas, se tiverem sucesso, contribuem para novas oportunidades e representam a realização de novos objetivos e a criação de novos valores. Para isso, é necessário gerenciar.


Recomendamos para você: Gerenciamento de riscos: aprenda a fazer uma gestão efetiva.


O termo “risco”, em latim, significa ousar, associando-se ao conceito de incerteza, seja para perdas ou para ganhos. O risco está presente em qualquer atividade, seja na vida pessoal, profissional, ou nas organizações, e pode ser sinônimo de prosperidade ou falha.

Um sistema de gestão de riscos corporativos deve prever o que pode afetar ou não a realização das metas e objetivos da organização. Quer saber como fazer uma gestão efetiva como objetivo de minimizar ou neutralizar os riscos que sua empresa enfrenta? Então continue lendo esse artigo.

Gestão de riscos corporativos: como gerenciar?

como-gerenciar

 

No ambiente empresarial, a competitividade e o interesse nas práticas de gestão são crescentes. Os recursos usados nas empresas, em todas as áreas de atuação (humana, tecnológica, material ou financeira), são necessários para se entender o risco de gerenciamento corporativo.

Para fazer a gestão de riscos, é necessário que você se atente para os alinhamentos dos processos, organização, desempenho, planejamento e avaliação da gestão corporativa. Todas as partes integrantes da sua empresa devem andar juntas.

Essa integração é fundamental para buscar as melhores soluções para o bom desempenho e o pensamento coletivo entre todas as áreas que auxiliam no sucesso da empresa.

Na administração do capital corporativo, independente do ramo seu ramo de atuação, o risco sempre estará presente. Por isso, é necessário que haja um controle e gestão desses fatores, que envolvem a manutenção da estabilidade dos resultados.

De acordo com o Committee of Sponsoring Organizations of the Treadwat Commission (COSO), o gerenciamento de riscos trata da identificação, avaliação e administração de riscos diante de incertezas.

Seguindo as definições de risco da norma ISO 31.000, uma gestão de riscos eficaz deve seguir os seguintes princípios:

  • Proteger e criar valor para as organizações
  • Ser parte integrante de todos os processos organizacionais
  • Ser considerada no processo de tomada de decisão
  • Abordar explicitamente à incerteza
  • Ser sistemática, estruturada e oportuna
  • Basear-se nas melhores informações disponíveis
  • Estar alinhada com os contextos internos e externos da organização e com o perfil do risco
  • Considerar os fatores humanos e culturais
  • Ser transparente e inclusiva
  • Ser dinâmica, interativa e capaz de reagir às mudanças
  • Permitir a melhoria contínua dos processos da organização

Aprenda a identificar os riscos

identificar-riscos

 

Vários fatores podem influenciar no planejamento empresarial. Para garantir uma boa gestão de riscos corporativos, é preciso estar ciente que incidentes e ocorrências de fontes internas e externas podem acontecer a qualquer momento.

Estes eventos podem ser positivos ou negativos, mas devem sempre estar incorporados à avaliação de riscos. Eles podem ser de natureza econômica, política, social, tecnológica, de infraestrutura, pessoal, do meio ambiente, protocolar, entre outros.

O mais importante é saber gerenciar esses eventos, juntamente com a equipe. Seminários, técnicas voltadas a eventos passados, análise interna, indicadores preventivos de eventos e análise de fluxo de processos, são alguns exemplos de ações que podem ser feitas pelos gerentes para garantir que não haja riscos no ambiente de trabalho.

Os métodos de avaliação de riscos incluem técnicas qualitativas e quantitativas.

A comparação benchmarking é um processo cooperativo entre um grupo de organizações. De acordo com o COSO, ele “enfoca eventos ou processos específicos, compara medições e resultados utilizando métricas comuns, bem como identifica oportunidades de melhoria. Dados de eventos, processos e medidas são desenvolvidos para a comparação de desempenho.”


Recomendamos para você: Risco de imagem, como evitar?


Outro tipo de classificação de riscos corporativos são os modelos probabilísticos, que “associam a uma gama de eventos e seu respectivo impacto, a probabilidade de ocorrência sob determinadas premissas. A probabilidade e o impacto são avaliados com base em dados históricos ou resultados simulados que refletem hipóteses de comportamento futuro”.

E há também os modelos não probabilísticos, que o COSO define como os que “empregam critérios subjetivos para estimar o impacto de eventos, sem quantificar uma probabilidade associada. A avaliação do impacto de eventos baseia-se em dados históricos ou simulados a partir de hipóteses sobre o comportamento futuro”.

A gestão depois dos riscos

gestao-depois-dos-riscos

 

Depois de avaliar os riscos, a empresa avalia como deve responder a eles. Há várias ações que podem ser feitas, como:

  • Evitar
  • Reduzir
  • Compartilhar
  • Aceitar

Evitar os riscos pode implicar no declínio ou na descontinuação do crescimento da sua empresa. Reduzi-los pode impactar no funcionamento e nas decisões do negócio. Compartilhá-lo pode acabar forçando a empresa a ter que terceirizar alguma atividade. E aceitá-los é aceitar o grau de impacto que eles podem causar.

Então, cabe a você, enquanto gestor, analisar o que é mais viável na situação em que se encontra.

A gestão de riscos na prática

gestao-de-risco-na-pratica

 

Para funcionar, a gestão de riscos corporativos deve seguir uma sequência. Do gestor até o monitoramento, é necessário que o processo seja incorporado por todos os setores, para que a ação seja efetuada com sucesso.

Com a prática da gestão de riscos corporativos, as empresas aproveitam muito mais as oportunidades, considerando todos os eventos em potencial e otimizando o capital.

Conclusão

Com uma gestão eficiente, é possível alinhar o risco às estratégias adotadas pelas empresas. Os administradores passam a avaliar o apetite da organização ao analisar as estratégias, definindo os objetivos a elas relacionadas e desenvolvendo mecanismos para gerenciá- las.

Além disso, o gerenciamento possibilita a identificação e a seleção de alternativas de respostas aos riscos. Ele também auxilia na redução das surpresas e prejuízos operacionais, dando às empresas a capacidade de identificar eventos em potencial e estabelecer respostas a eles.

Nesse artigo você aprendeu que a gestão de riscos corporativos também te ajuda a identificar e administrar riscos múltiplos e entre empreendimentos, possibilitando uma resposta eficaz aos impactos.

2 Comentários


  1. Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *