5 dicas de controles internos

Quais são os tipos de soluções que sua empresa adota diante de determinados risco que ela possa vir a sofrer? Se você disse controle internos, acertou!

Estar atento aos acontecimentos externos que competem à informações de concorrência e competitividade pode ser uma alternativa, mas, isso é papel de qualquer empresa que entra no mercado, não é mesmo?

Olhar para dentro da casinha é um processo que se torna meio complexo para algumas organizações, principalmente quando gestores e funcionários possuem um comportamento cômodo. Tal situação pode dar início a comportamentos tendencioso e que podem colocar em risco alguns processos internos da empresa.

A aplicação de controles internos na gestão empresarial contribui efetivamente para a gestão de riscos, governança corporativa e compliance.

Quando abordamos qualquer assunto relacionado a controles internos, não podemos deixar de contextualizar o tema com os acontecimentos de fraude, lavagem de dinheiro e corrupção que assolam o nosso país nos últimos anos.

Sabemos que algumas multinacionais alocadas no Brasil já possuíam o conhecimento de tais práticas e já adotavam o modelo de controles internos em sua gestão. Mas, para as empresas nacionais, ainda é um tema que está sendo descoberto e em processo de aplicação na gestão.

Neste artigo elencamos 5 dicas fundamentais de controles internos para você começar a aplicar na sua empresa.

Você está pronto?

O que são controles internos?

o-que-sao-controles-internos

 

Controles internos se baseiam em um conjunto de procedimentos e políticas que são desenvolvidas e operacionalizadas para garantirem uma razoável certeza e respeito da confiança que pode ser depositada nas demonstrações financeiras e processos correlatos.

O objetivo geral da implantação de controles interno está baseado na proteção de ativos da empresa, produção de dados contábeis que sejam confiáveis e no auxílio da condução ordenada dos negócios da empresa, evitando o acontecimento de fraudes, erros, ineficiências e crises.

Os controles internos devem ser:

  • Úteis
  • Práticos
  • Econômicos

Devemos também, estarmos atento a aplicação de controles direcionado a segurança da informação, com todo o amplo crescimento digital que vem acontecendo, proteger informações e transações online, torna-se papel da área de controle.

Podemos ter uma noção mais interessante sobre a revolução digital e o papel da área de controle nesse artigo publicado pela LEC News (Legal Ethics Compliance).

Porque é tão importante a aplicação de controles internos nas empresas?

porque-e-tao-importante-a-aplicacao-de-controles-internos

 

Quando uma organização possui uma gestão eficaz, colaboradores satisfeitos e felizes, fluxo financeiro no azul, pode ter certeza que a aplicação eficaz de controles internos faz parte dessa gestão.

Mas, sabemos que nem tudo são rosas, e o motivo para que acontecimentos como conflito de interesses, ausência de conduta, falta de ética e profissionalismo levam a casos de fraude, lavagem de dinheiro e corrupção.

E porque digo isso? Pode até parece algo bobo, mas, atitudes como as que citamos no parágrafo anterior, são os principais motivos que levam o ser humano a querer prejudicar o seu próximo.

O desenvolvimento de áreas de risco e compliance, são as formas que as organizações encontram para se prevenir de atitudes prejudiciais a sua imagem, pois, afinal, nenhuma empresa quer carregar a mancha de estar envolvida em escândalos de corrupção.


Recomendamos para você: O que é uma área de compliance?


Ao aplicar processos internos, a gestão da empresa consegue mapear os pontos de riscos e se antecipar aos acontecimentos dos fatos, além de, desenvolver um código de conduta eficiente e aplicar determinadas punições a profissionais que possuem um comportamento tendencioso ou que estejam envolvidos com casos de fraude.

É de suma importância ter o conhecimento se os profissionais estão capacitados a desempenharem suas funções e isso, é processo que precisa ser aplicado no período de contratação.

5 dicas de controles internos para aplicar na sua empresa

1# Controles Padronizados

As atividades relacionadas aos controles padronizados costumam ser documentadas e padronizadas, seguindo à risca uma linha de aplicação.

Tais processos partem desde uma forma inicial de operação, regras, códigos, consequências e fim idênticas, contribuindo para um funcionamento idêntico e de fácil análise para os gestores.

Este modelo de controle conduz a eficiência e eficácia operacional. As atividades são mapeadas e implementadas.

2# Controles Monitorados

 

Os controles monitorados seguem uma parte do método aplicado pelos controles padronizados, pois, o mesmo padroniza os processos e atividades.

Geralmente os processos monitorados são testados de forma periodicamente, para ocorra uma avaliação da performance desempenhada pela aplicação dos processos.

Os resultados gerados devem ser reportados para a gerencia da organização.

3# Controles otimizados

Esse tipo de controle está interligado a sistemas integrados, onde o monitoramento dos processos aplicados possa ser acompanhado em real time.

Uma característica fundamental no controle otimizado, é que o aprimoramento dos processos é continuo validando melhorias na aplicação das atividades aplicadas.

4# Controles não confiáveis

 

Esse tipo de controle não condiz com a sua aplicação ser ineficiente, mas, em aplicar processos internos em ambientes organizacionais que são imprevisíveis.

Além de ser um ambiente complexo, há também a desvantagem de não possuir um sistema de informação integrado, dificultando ainda mais o desempenho de processos que possam ser efetivos e evitar riscos.

5# Controles informais

Os controles informais seguem uma linha que podemos considerar ineficaz quando o assunto é prever riscos e evita-los.

Podemos definir esse tipo de controle como processos que até são aplicados, mas, não são documentados e é aí que mora a desvantagem.

Não ter processos documentados em uma empresa, invalida a punição diante de casos ilegais que possam vir a acontecer, passando uma imagem ineficaz de controles internos e criando uma falta de credibilidade diante dos colaboradores.

Conclusão

Acreditamos que a aplicação de controles internos nas organizações contribui para a eficiência de processos operacionais e o desenvolvimento de conduta de acordo com a vigência de leis como a lei anticorrupção.

Sem falar, que as empresas precisam se preocupar com a forma que conduzem seus negócios e compreender que olhar para dentro também é fundamental para uma melhor gestão.

A finalidade dos controles internos é proporcionar a prevenção efetiva de casos de fraude e ineficiência de processos organizacionais, sempre visando a proteção de seus ativos.

Caso queira compartilhar dicas de controles internos, deixe o seu comentário logo abaixo, será um prazer iniciarmos um diálogo sobre tema.

banner-ebook-compliance-corporativo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *